quinta-feira, 19 de março de 2015

CÃES PRECISAM DE PELO MENOS 15 MINUTOS DE ATENÇÃO DIÁRIA

A médica Mirela Albuquerque, tutora de Boss, de 1 ano e 10 meses, notou melhora de comportamento depois que os passeios se tornaram diários. Foto: Alcione Ferreira/DP/D.A Press

Fonte: Myrela Moura - Diario de Pernambuco

Em muitas famílias de tutores de pets, é bastante comum que cães e gatos passem grande parte do dia sozinhos diante do ritmo de vida atual onde os donos geralmente trabalham, saindo pela manhã e retornando apenas no início da noite. Os felinos lidam melhor com esta “solidão” mas os cachorros geralmente sentem mais a falta das pessoas da casa. Os sentimentos mais comuns são ansiedade e tédio que, se não forem trabalhados, podem gerar transtornos de comportamento como agressividade e necessidade de chamar a atenção fazendo suas necessidades pela casa.

A ausência prolongada dos donos não precisa ser um transtorno nem para os cães nem para os donos, mas é preciso que o tutor esteja disposto a dedicar um tempo ao animal que escolheu para conviver. A correria do dia a dia não deve ser usada como desculpa para não criar um ambiente estimulante e agradável para o seu cãozinho. 

É importante que o dono passeie com o seu cão todos os dias, pelo menos 15 minutos, seja qual for a raça e mesmo que você more em lugares com bastante espaço.”O gasto de energia física e mental resolvem de 80 a 90% problemas comportamentais nos cães’,explica da treinadora comportamental Áina Bosch. “O gasto energético também se dá pelos estímulos dos seus instintos, então é possível ter uma casa grande e um cachorro ansioso. Ele precisa explorar novos ambientes e cheiros”, completa.

O tempo do passeio depende da raça e da observação dos níveis de energia que o cão tem. Um pug, por exemplo, precisa de 15 a 20 minutos de passeio, enquanto raças como yorkshire e poodle, precisam de 40 minutos. Após o passeio, o dono já nota o cão mais calmo, melhorando sua ansiedade e estresse.

A médica Mirela Albuquerque tem um Spitz Alemão (Lulu da pomerânia),o Boss, de 1 ano e 10 meses. Ele ficava muito tempo em casa já que ela e o marido passam muito tempo fora e a solução encontrada foi chamar um profissional para dar dicas de como ele poderia se manter ativo e compensar essa falta. “Não passeávamos muito, mas agora fazemos isso sempre. Ele também costuamava roer o pé da mesa,mas não faz mais isso desde que começamos a gastar mais a energia dele ”, conta. Boss hoje está um cão muito mais calmo e tem diversos brinquedos interativos que preenchem seu tempo quando seus donos não estão.

A treinadora alerta que atender às necessidades dos cachorros deve ser uma prioridade dos donos que não devem prejudicar o desenvolvimento dos pets por causa de uma rotina puxada. Os cachorros precisam de de estímulos físicos e mentais e eles podem estar presentes até na hora da alimentação. “O conceito de alimentação ativa consiste em fazer o cão trabalhar para poder comer,através de brinquedos interativos e que visam examente os cãos confinados”, conta Áina. 
Coloque dentro de um desses brinquedos desenvolvidos para ele comidinhas ou ração que o cão goste, dessa forma ele vai trabalhar para se alimentar e se distrair. Espalhe também comidinhas pela casa. Ele ficará entretido e feliz ao encontrá-las no decorrer do dia. Uma alternativa aos brinquedos interativos comprados em petshops é usar uma garrafa pet com um pequeno furo no meio e um pouco de ração. À medida que o cão empurra a garrafa, ela libera um pouco de comida, estimulando a continuar na brincadeira.

Cães que ficam muito tempo sozinhos também costumam sofrer de ansiedade de separação, que é quando o dono tem que sair para trabalhar. Você pode transformar esse momento para que fique mais ameno. Não dê atenção imediatamente quando chega ou logo antes de sair para trabalhar. Pode parecer cruel, mas o sentimento de pena faz com que muitos donos acabem cedendo e agachem para cumprimentá-lo, o que só favorece o seu estado de ansiedade. “Esse é um problema que as pessoas não levam a sério. Só pra ter ideia, quando o cão fica nesse estado frenético ocorre no seu organismo a liberação de toxinas que diminuem até o seu tempo de vida”, disse a treinadora Áina. 

É indicado que que você só fale com o cachorro quando ele se acalmar. Coloque um potinho na porta de saída e sempre dê alguma recompensa quando for sair. Dessa forma o cão vai entender que não estará “perdendo” com a sua partida e sim ganhando coisas deliciosas, como um osso ou algum petisco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário