terça-feira, 23 de setembro de 2014

FERNANDA MONTENEGRO DARÁ 'VÁRIOS BEIJOS' EM NATHALIA TIMBERG, DIZ AUTOR

Ricardo Linhares contou como será o casal lésbico de 'Babilônia', que escreve com Gilberto Braga, ao participar de Masterclass com Duca Rachid

                                    Duca Rachid e Ricardo Linhares (Foto: EGO)


Ricardo Linhares e Duca Rachid, autores de sucessos como "Saramandaia" (2013) e "Cordel Encantado" (2011), falaram dos caminhos e dificuldades para quem sonha em escrever para a TV durante a "Master class – Autoria em telenovela e minissérie", promovida sábado, 13, no Centro Cultural b_arco, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo. Entre os temas abordados, eles relembraram o início da carreira, enumeraram os percalços que surgem na produção de uma novela e adiantaram um pouco de seus próximos trabalhos. Ricardo comentou o casal lésbico que será formado por Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg em “Babilônia”, trama que escreve em parceria com Gilberto Braga e João Ximenes Braga para substituir "Império" às 21h.

"Queríamos avançar nessas questões do homossexual sair do armário e se assumir para a família e chegamos a um casal de octogenárias e respeitadas". Ele acredita que a aceitação será melhor que em "Torre de babel" (1998), quando as personagens de Christiane Torloni e Silvia Pfeiffer acabaram sendo mortas na explosão do shopping. "Era outra época, e tanto Torloni quanto a Silvia são mulherões. Isso vem mudando, mas até pouco tempo era ousado demais colocar ícones masculinos ou femininos em papéis gays", avalia.

Ao EGO, o autor contou um pouco mais sobre o casal. "Não estão previstos grandes beijos. Elas estão casadas há 35 anos, diferente de quem está começando um relacionamento agora. No texto existem várias situações de beijos, selinhos e trocas de carinhos entre elas e são totalmente naturais, como as dos casais héteros ou homossexuais."

Pela leveza que promete, ele espera que a história consiga ser bem desenvolvida. "Só posso responder pelo que está no texto, se vai ao ar ou não, eu não sei. Mas não veria motivo algum para cortes, está sendo feito com todo um cuidado de justificar e dar embasamento ao relacionamento das duas".

Ricardo fala da felicidade das duas com as novas personagens. "Fomos nós que propusemos os papéis para elas e as duas ficaram radiantes pelo desafio. A essa altura da carreira, elas interpretaram tudo que você possa imaginar em teatro e televisão. O fato de criar um personagem que nunca fizeram lhes deu gás, alegria, foi um incentivo muito grande, um excelente. A Fernanda já tinha me confessado em 'Saramandaia' que adorou contracenar com galinhas. Dar aos atores a chance de fazer algo diferente de seus últimos trabalhos é empolgante para eles, para os diretores e para nós que escrevemos também”.

Dificuldades
Duca abriu o debate brincando sobre os efeitos colaterais para quem quer ficar muitos meses escrevendo o que milhões de pessoas verão diariamente na TV em todo o país. "Escrever novela engorda, envelhece, faz cair o cabelo, dá crise no casamento, os filhos ficam irritados... vocês tem certeza que querem isso?", questionou.

Atualmente ela se dedica a supervisionar Manuela Dias, que desenvolve a miinissérie "Ligações Perigosas". "É uma autora nova, uma aposta diferente, mas ainda não foi batido o martelo. Caso seja produzida, será em janeiro". Duca admite que sua função não é das mais fáceis. “Fazer supervisão é muito difícil, você precisa respeitar o estilo do autor que você está supervisionando, e não querer que ele faça do seu jeito. É complicada essa equação", avalia.

Em 2006, Duca e Thelma Guedes, sua parceira em todas as novelas que escreveu na Globo, foram supervisionadas por Walcyr Carrasco nos capítulos iniciais de "O profeta". Depois, seguiram juntas até o final da trama. Para os telespectadores mais atentos a mudança na estrutura da trama foi notória. "O Walcyr tem um estilo muito próprio e, naquele primeiro momento, ele nos levou a fazer uma coisa muito parecida com o que ele fazia. Depois que ele saiu nós fomos procurar o nosso jeito de fazer. Acho que (a mudança) aconteceu naturalmente. E o próprio Walcyr admitiu pra gente: 'Eu sou péssimo como supervisor, quero que a pessoa faça do meu jeito'. Estou vivendo essa experiência agora", afirmou ao EGO.

As autoras podem ir para o horário das 21h. "A gente pretende trabalhar numa sinopse para apresentar no meio do ano que vem, e só então definir se será mesmo uma novela das 21h ou das 23h. Por enquanto é só uma proposta, não há nada definido". Entre os "muitos atores" para quem ainda quer escrever, ela sonha com nomes Fernanda Montenegro, Tony Ramos e Glória Pires.
Fonte: Gazeta Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário