segunda-feira, 30 de setembro de 2013

PETS PODEM DESENVOLVER COMPULSÃO ALIMENTAR POR TÉDIO E ESTRESSE

O estudo mostrou que labradores, terrier escoceses e cocker spaniels estão entre as raças de cães mais propensas ao problema


Um estudo feito por veterinários descobriu que cães e gatos de estimação podem entrar em quadro de obesidade por razões emocionais. Os animais em compulsão alimentar consomem mais do que precisam para lidar com o tédio e estresse, de acordo com a pesquisa. Impor uma dieta ao pet, no entanto, pode torná-lo infeliz. A taxa de obesidade chega a 25% nos gatos e 45% nos cães. As informações são do Daily Mail.

Enquanto humanos partem para doces e comidas de alto teor calórico quando estão deprimidos, os animais se contentam apenas com a ração, mas comem mais do que o habitual. Os problemas de obesidade dos pets devem estar na lista de preocupações do dono e exige uma reavaliação na rotina do animal, ao invés de uma restrição à alimentação.

O estudo mostrou que labradores, terrier escoceses e cocker spaniels estão entre as raças de cães mais propensas ao problema. As fêmeas se mostraram mais suscetíveis à obesidade. Em relação aos gatos, os que vivem em casas com apenas um ou dois gatos apresentaram mais tendência ao ganho de peso.

Fonte: Terra.com

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

"JUSTIÇA PARTICULAR" - O NOVO COMENTÁRIO DE JALON CABRAL

JUSTIÇA PARTICULAR

Fazer justiça com as próprias mãos nunca foi aconselhável, porém a população está cansada de ser vitima todos os dias desses marginais que infestam a cidade, assaltam e matam covardemente sem serem importunados, sob os olhares impotentes das autoridades que deviam garantir a nossa segurança. O povo com medo, impulsionado pela falta de ação de uma policia desestruturada, só pode provocar a ira dos incautos alagoanos que resolveram praticar justiça por conta própria. Hoje é comum vitimas unidas amarrarem bandidos em postes e agredi-los sem dó e nem piedade numa evidente demonstração de que, quando o estado mostra-se inoperante, a população surge fazendo a sua justiça particular.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

CUIDADOS PARA PEDALAR ACOMPANHADO DO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO

Com o advento das ciclofaixas móveis, ciclistas começam a levar seus pets para passear na garupa. Mas a atenção precisa ser redobrada


"Quando saio com ela, minha velocidade já diminui automaticamente. Caso eu esbarre em outra bicicleta, o choque não vai ter tanto impacto", diz Flávia. Foto: Arthur de Souza/Esp. DP/D.A Press
A servidora pública federal Flávia Vilela, 39 anos, sempre gostou de andar de bicicleta. E sempre adorou animais de estimação. Já teve gato, sagui, chinchila. Desde que comprou, há quatro anos, a cadela Gigi, da raça shih-tzu, resolveu unir as duas paixões em uma só. "Sempre que posso, levo Gigi pra passear comigo de bicicleta", conta. O hobby ganhou força depois que a prefeitura do Recife passou a instalar ciclofaixas móveis aos domingos e feriados, cobrindo da Zona Sul à Zona Norte da cidade.

Flávia e o marido, Mário Bezerra, 47 anos, também servidor público federal, sabem que é preciso ter cuidado na hora de levar o animal de estimação sobre a magrela. "Quando saio com ela, minha velocidade já diminui automaticamente. Caso eu esbarre em outra bicicleta, o choque não vai ter tanto impacto". Além da atenção redobrada, o casal investe na manutenção da bike e nos acessórios adequados. "Meu marido checa os freios e os pneus antes de pedalarmos. E Gigi sempre vai na cesta, com uma coleira amarrada ao guidão".

Na loja Cão Q Ri (F.: (81) 3325-1595), com sede no Shopping Recife, por exemplo, o ciclista pode encontrar desde cestas (de aço e tecido, da marca Ibiyaya, por R$ 499) a óculos para proteger a visão dos cães (de plástico e tecido, com proteção UV, da marca Dogglies, a partir de R$ 115). Na concorrente Petit Pet (F.: (81) 3465-1168), no entanto, a visão de Caio Gondim, 40 anos, ciclista e proprietário da loja, difere. Ele não vende produtos voltados a animais por temer pela segurança dos mesmos. "Pessoalmente, acho arriscado levar o próprio pet para andar de bicicleta. Até porque a cesta não me parece tão confortável para passeio".

A veterinária Lorena Nery, vinculada à Clínica Veterinária Harmonia (F.: (81) 3241-6359), pede prudência. "Se o dono quiser passear com o cachorro, o cuidado deve ser extremo. No caso de um acidente, o animal seria o primeiro a se machucar", explica. Ela, entretanto, diz nunca ter atendido na emergência nenhum caso de animal acidentado por colisão de bicicletas e afins. A própria Flávia corrobora a ideia de que nem todo cão se adapta ao passeio. "Não adianta forçar. No meu caso, tenho a sorte de Gigi ser muito calma. Vamos juntas, sem maiores problemas", defende.

sábado, 21 de setembro de 2013

“SALVE-SE QUEM PUDER” – MAIS UM COMENTÁRIO DE JALON CABRAL

SALVE-SE QUEM PUDER

O governo, infelizmente, não consegue puxar o freio da violência que toma conta de todo o estado de Alagoas. Todos os dias a imprensa noticia homicídios, roubos, furtos em coletivos, arrombamentos de lojas e residencias, arrastões, estupros e outras modalidades de infrações penais sem que a população tão sofrida tome conhecimento de que algo esteja sendo feito em seu beneficio. Viaturas policiais desfilando pelas ruas da cidade e helicópteros em vôos rasantes não inibem os criminosos, que continuam a debochar da policia e a aumentar os índices de violência em Alagoas. Enquanto o governo do estado, através de sua frágil Secretaria de Defesa Social, não adotar providencias enérgicas no combate às ações criminosas, vamos continuar assistindo de camarote a banalização da criminalidade e a gritar em alto e bom som para os nossos conterrâneos salve-se quem puder !

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A NOSSA LIBERDADE...- PALAVRAS DO GENERAL PAULO CHAGAS



Recebí do amigo Naldo Viana, por e-mail, essa matéria que repasso para vocês:
 
General Paulo Chagas

Liberdade para quê?

Liberdade para quem?

Liberdade para roubar, matar, corromper, mentir, enganar, traficar e viciar?

Liberdade para ladrões, assassinos, corruptos e corruptores, para mentirosos, traficantes, viciados e hipócritas?

Falam de uma “noite” que durou 21 anos, enquanto fecham os olhos para a baderna, a roubalheira e o desmando que, à luz do dia, já dura 26!

Fala-se muito em liberdade!

Liberdade que se vê de dentro de casa, por detrás das grades de segurança, de dentro de carros blindados e dos vidros fumê!
Mas, afinal, o que se vê?
Vê-se tiroteios, incompetência, corrupção, quadrilhas e quadrilheiros, guerra de gangues e traficantes, Polícia Pacificadora, Exército nos morros, negociação com bandidos, violência e muita hipocrisia.

Olhando mais adiante, enxergamos assaltos, estupros, pedófilos, professores desmoralizados, ameaçados e mortos, vemos “bullying”, conivência e mentiras, vemos crianças que matam, crianças drogadas, crianças famintas, crianças armadas, crianças arrastadas, crianças assassinadas.

Da janela dos apartamentos e nas telas das televisões vemos arrastões, bloqueios de ruas e estradas, terras invadidas, favelas atacadas, policiais bandidos e assaltos a mão armada.

Vivemos em uma terra sem lei, assistimos a massacres, chacinas e sequestros.

Uma terra em que a família não é valor, onde menores são explorados e violados por pais, parentes, amigos, patrícios e estrangeiros.
Mas, afinal, onde é que nós vivemos?
Vivemos no país da impunidade onde o crime compensa e o criminoso é conhecido, reconhecido, recompensado, indenizado e transformado em herói!

Onde bandidos de todos os colarinhos fazem leis para si, organizam “mensalões” e vendem sentenças!

Nesta terra, a propriedade alheia, a qualquer hora e em qualquer lugar, é tomada de seus donos, os bancos são assaltados e os caixas explodidos.

É aqui, na terra da “liberdade”, que encontramos a “cracolândia” e a “robauto”, “dominadas” e vigiadas pela polícia!

Vivemos no país da censura velada, do “micro-ondas”, dos toques de recolher, da lei do silêncio e da convivência pacífica do contraventor e com o homem da lei.

País onde bandidos comandam o crime e a vida de dentro das prisões, onde fazendas são invadidas, lavouras destruídas e o gado dizimado, sem contar quando destroem pesquisas cientificas de anos, irrecuperáveis!

Mas, afinal, de quem é a liberdade que se vê?

Nossa, que somos prisioneiros do medo e reféns da impunidade ou da bandidagem organizada e institucionalizada que a controla?

Afinal, aqueles da escuridão eram “anos de chumbo” ou anos de paz?

E estes em que vivemos, são anos de liberdade ou de compensação do crime, do desmando e da desordem?

Quanta falsidade, quanta mentira quanta canalhice ainda teremos que suportar, sentir e sofrer, até que a indignação nos traga de volta a vergonha, a auto estima e a própria dignidade?

Quando será que nós, homens e mulheres de bem, traremos de volta a nossa liberdade?



* Paulo Chagas é General da Reserva

do

Exército do Brasil.

08-06-2013

domingo, 15 de setembro de 2013

ANOREXIA COSTUMA SER MAIS FREQUENTE EM FELINOS



Com o organismo mais frágil, diversas condições podem influenciar o apetite dos gatos
A gata Mel, de sete anos, perdeu três quilos antes que a tutora notasse que ela estava anoréxica.


Falta de apetite, icterícia (pele amarelada), vômitos. Esses são alguns sintomas a que os tutores de gatos devem estar atentos, já que a presença deles pode ser o sinal de uma síndrome frequente entre os felinos: a anorexia. Diferentemente das condições em que é diagnosticada nos humanos, o distúrbio quando aparece nos animais é um sinal clínico e pode ser o indicador de alguma doença ou incômodo. Com o organismo mais frágil que de outros animais, diversas condições podem reduzir a palatabilidade dos gatos, que, se não for tratada, pode ter consequências graves ou até mesmo fatais.

De acordo com a a veterinária e professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Roseana Diniz, diversos fatores podem desencadear o quadro clínico. "O gato é seletivo, então quando ele está inseguro quanto ao que vai comer, prefere ficar com fome. Essa característica pode facilitar o desenvolvimento da anorexia. Além disso, condições patológicas e não patológicas causam a síndrome. Desde uma doença, como infecções e inflamações até o estresse, causado por mudanças no ambiente em que vive o animal, podem levar à falta de apetite", explica.

Mudanças que comprometem a saúde podem ser pouco notadas pelos tutores. Pois, segundo afirma Roseana, uma simples visita ou até um cheiro muito forte na casa podem ser motivos para estressar o felino e deixá-lo sem vontade de comer. "Costumo dizer que gato estressado é gato doente. Esse animal costuma ter uma rotina rígida, então, qualquer modificação no manejo do ambiente em que ele vive pode deixá-lo sem apetite", conta.

Saber a causa da dificuldade de se alimentar é o primeiro passo para iniciar um tratamento eficaz. E, nesse caso, a observação do tutor pode contribuir bastante. No caso da arquiteta Mônica Oliveira, de 29 anos, a demora no diagnóstico foi fundamental para o avanço no quadro da gata sem raça definida, Mel, hoje com 7 anos. "Ela era obesa, então demorei a perceber que estava se alimentando mal. Quando notei, ela já estava com três quilos a menos", lamenta.


Aos poucos Mel ficou mais quieta, isolada e apática. "Os gatos são muito discretos. A gente tem que observar bastante para notar alguns detalhes que fazem a diferença. Quando percebi que ela estava com algum problema fui logo ao veterinário", diz Mônica. O diagnóstico foi de lipidose hepática, o acúmulo de gordura no fígado. O tratamento da gata foi feito na Clínica Veterinária Fauna, onde passou a se alimentar através da sonda. Sete dias depois de iniciado o tratamento ela voltou a comer normalmente.

Se o animal está se alimentando em menor quantidade já há dois dias, o tutor deve ficar alerta e observar o que pode estar causado a mudança. Oferecer ração de latinha e dar alguns pedaços de azeitona em conserva estimulam o apetite. Outra opção é liquidificar a ração ou forçar a alimentação com seringa, que facilitam a ingestão. "Os felinos precisam de doses diárias de vitaminas e aminoácidos, a falta delas causa sérios problemas", explica Roseana.

Para evitar o aparecimento da anorexia, é importante manter o felino saudável. Estar em dia com as vacinas e com a vermifugação é um das maneiras mais eficazes. "Geralmente já existe uma predisposição para se intoxicar. Então, evitar acesso a plantas, produtos de limpeza, não dar medicação humana e não fazer mudanças bruscas no ambiente ajuda a prevenir", completa a veterinária.

                                            

      Oferecer ração de latinha e dar alguns pedaços de azeitona em conserva estimulam o apetite



     Fonte:  Mariana Fabrício - Diario de Pernambuco