quarta-feira, 10 de agosto de 2011

"A TOTAL E COMPLETA INVERSÃO DE VALORES NO RÁDIO"


Este artigo, da coluna Canal 1 do jornalista Flávio Ricco, foi publicado no jornal Tribuna Independente , na edição de ontem,  terça-feira, dia 9:

“Está muito difícil a situação de quem trabalha em rádio nas grandes cidades. São Paulo, por exemplo. Na sexta-feira, a Record demitiu cerca de 200 funcionários da sua AM. Profissionais conhecidos, como Paulo Barbosa, Juarez Soares, Paulo Roberto Martins, Leão Lobo, Gil Gomes, Cássio Lima Rosa, Cacá Siqueira e Débora Santili são apenas alguns que perderam o emprego. Não se trata de um discurso corporativista, mas uma triste constatação; hoje, para trabalhar em rádio é preciso ser padre ou pastor. Radialista ou jornalista não serve mais. Problemas de recepção à parte, os investimentos comerciais diminuíram na mesma ordem em que as programações  vieram a ser ocupadas por pessoas das mais diferentes crenças e religiões. Na AM, dos prefixos conhecidos da capital de SãoPaulo, sobraram apenas a Jovem Pan, Bandeirantes, Globo, CBN e outras poucas. O FM, lamentavelmente, se percebe, não vai para caminho diferente.É muito triste.Depois alguns ficam meio assim quando um profissional resolve tomar o caminho inverso, e ele mesmo “demitir” a emissora – rádio ou TV – em que trabalha, como foi o caso do Datena recentemente na Record. Os direitos são iguais e nada mais pode nos surpreender".

Nenhum comentário:

Postar um comentário